Finita como Flores  
  

Vejo, na ciclovia, um homem sujo, com um dente preto quebrado, cabeça baixa, cara de dor, andando sozinho. Paro a bicicleta, meus olhos se enchem dágua e ouço gritos: Goooooooooolllllll!!!!!!!! Levo um susto danado e vejo na praia do Flamengo dois times jogando, um comemora. Olho para trás, ainda marejada, e lá se vai o homem desesperado.

Faço a manobra, separo dez reais da carteira e intercepto-o: Posso ajudá-lo em alguma coisa? O homem levanta os olhos arregalados e diz: Não preciso de nada. Mas sua cara é de muito sofrimento. Minha cara é assim mesmo. Tem certeza que não posso ajudá-lo? Não, responde, com medo. Aceita um Guaraviton (eu trazia uma garrafa na mochila). Ele dá um passo pra trás, talvez não saiba o que é um Guaraviton. É um refrigerante, digo. Tenho aqui, por favor, aceita. Ele aceita e eu sigo, na dúvida se a louca sou eu ou os transeuntes que passam por ele, indiferentes.

Talvez fosse apenas um canal no dente, concluo, lembrando a minha dor, que foi tanta, no metrô rumo ao dentista, que uma IDOSA ME DEU O ASSENTO!



 Escrito por GH às 15h03



 
  

 

Um idoso me aborda na rua pedindo dinheiro para uma refeição. Até que enfim alguém me olhou, é uma vergonha para um homem, diz. Dou cinco reais, assustada, e perco o rumo, me desoriento, dou a volta ao quarteirão em busca do restaurante a quilo onde ia almoçar domingo sozinha e eis que revejo o homem com um saco plástico contendo uma quentinha.

Agora ele não me escapa. Onde o senhor mora? Não tem família? De onde veio? De Volta Redonda, dorme num lugar onde também toma banho, responde. Uma sobrinha. Não tem filhos “graças a Deus”. Por quê? Seria uma vergonha hoje ter que depender dos filhos, ele responde.

Fique o senhor sabendo que quando a gente não olha não é porque não vê, porque somos maus ou indiferentes. Se eu for parar para cada um que me pede, não chegaria ao meu destino. Minha grana está contada. Tenho medo de assalto. As pessoas não olham, mas têm insônia, depressão e síndrome de pânico.

E mais, minto: perdi meus pais e queria  que eles estivessem aqui, mesmo dependendo de mim, porque sou separada, minha filha casou e eu me sinto muito sozinha, ouviu? Digo, quase ralhando. Detesto ser enxergada de madame.

 



 Escrito por GH às 15h03



 
  

Sigo e ouço um elogio ótimo. Do fruteiro, claro. Depois dos cinqüenta só fruteiro, feirante e camelô conseguem enxergar a nossa beleza. Comprei peras e ele disse:

- "Esses zóio da sinhora divia de sê inconstitucional..."

Ganhei o dia, naturalmente.

Basta esquecer a cara do fruteiro.

 

Déborah Finnochiaro. Poemas de Mário Quintana. Gramado. RS.2007 

Ensaio fotográfico na íntegra.

Clique aqui.

 

Leia "Gente cabeça",

e veja fotos de cabelos interessantes.

Clique aqui.



 Escrito por GH às 15h01



 
  

gloriahorta@gloriahorta.net

Você está convidado a reler os melhores momentos do blog.

É só clicar no título.

Boa viagem.

 

DEVAGAR

Senhoras atravessando a menopausa

 Perdi a moça que me habitava. 

 

A dança dos sete véus

 

Cabelos, melhor não tê-los, mas como sabê-los?

 

A exposição impossível

 

Sangrias

 



 Escrito por GH às 14h52



 
  

Nem flor no cabelo pode mais

Em pânico sem dar um pio

Um caminhão de mães

Imagem roubada

A última geração de companheiros

Manual do bem-estar



 Escrito por GH às 14h48



 
  

Ladeira caraminhola

Plutão e o direito adquirido

Yo sou, tú eres

Perdendo o sono e as palavras



 Escrito por GH às 14h48



 
  

África grávida: o planeta azul não é redondo e te ignora .

Você não bate bem do coração e eu moro pancada numa ilha.

Reinventa-me que eu te idealizo.

 Quem nunca comeu estrelas não sabe o gosto

Tesão sem bússola

Confesso que não vi

Nossa viagem no escuro

A escova regressiva e o elo perdido



 Escrito por GH às 14h37



 
  

Rosas, grama, risos, riscos, rios e espinhos

Gravador, fusca, impressora e vaca

Aluguei uma casa na beira do rio

Rio de Janeiro é a cidade que te salva



 Escrito por GH às 14h36



 
  

FOTOS:  Garganta Profunda, vinte anos / Sala Funarte   /  Hall da Fama / Bombando  / Tremores /  Mirantão 1 / Mirantão 20 / Mirantão  / Búzios  1 / Búzios 2 / Búzios 3: quiosques queimando / Secretário / Divertidades – Forum Social Global - Porto Alegre  / Gente cabeça Fotos que falam - Galeria fotográfica / Rio de Janeiro e Novo México / Arte na rua      



 Escrito por GH às 14h36



 
  

Devagar

Senhoras atravessando a menopausa

 

Entrou outra alma dentro de mim no auge da insônia e passei dias chorando deitada, revirando os olhos e o corpo feito cenas de exorcismo, até que, sem remédio e sem diagnóstico, devidamente examinada, tomei um banho demorado, vesti uma roupa leve e voltei a trabalhar e a enfrentar a vida naturalmente como se eu fosse a mesma, sem ser.

Durante esse ataque, tomou conta de meu corpo uma senhora irada, bravíssima, cujos sentimentos e sonhos ainda desconheço, e perdi a moça que me habitava.

Inicialmente pensei que fosse uma doença, fiz queixa à médica, filas de exames, do labirinto aos hormônios, sangue, suor, fezes, coração, eletros e grafias, para descobrir, meio desapontada, que a saúde está de ferro.

Sou outra e preciso saber como esta criatura se veste, como ama, como reage, como é tratada. Agora eu me sinto frágil. Tenho medo e então fico brava à toa. Passei a gostar de Mineirinho. É isso. Tenho essas pistas. No mais, redescobrindo.

Quem conheceu a moça que fui guarde o retrato. Quem não viu perdeu a chance. Alisei os cabelos rebeldes e sinto-me sozinha.

Torçam para que tudo não passe de um simples envelhecimento.



 Escrito por GH às 01h33



 
      
 
 
 
 

HISTÓRICO
 Ver mensagens anteriores



OUTROS SITES
 Tecelagem manual. Cursos
 Os melhores momentos do blog
 Nós Imortais
 Mitologia
 Poesias GH: Sangrias
 Glória H
 Maíra M